domingo, 28 de agosto de 2005

Relações com os Media - Parte I

Como em todas as classes profissionais, também no jornalismo, existem bons e maus profissionais. Quer se goste ou não do jornalista x ou y, os consultores de comunicação têm de se relacionar, e bem, com todos, pois eles são determinantes para os resultados a apresentar.

Falando um pouco da minha experiência profissional, enquanto colaborador numa agência de comunicação, posso dizer que existem alguns jornalistas que possuem um grande preconceito em relação às agências e aos seus profissionais. Porque será? Enumero aqui algumas razões:
- Desconhecimento por parte dos consultores de comunicação das horas mais adequadas para contactar os jornalistas. Imaginem o quanto é aborrecido para um jornalista que está no final do dia a fechar um artigo para a edição do dia seguinte, receber um telefonema de uma agência para saber se ele irá estar presente numa conferência de imprensa daqui a 3 dias;

- Enviar um email para um jornalista com informação e ligar 10 minutos depois para saber se ele recebeu o documento e se vai fazer notícia;

- Abordagem publicitária ao telefone com o jornalista. Muitos consultores de comunicação parecem autênticos publicitários pela forma como “vendem” a informação. Para além de para eles, todos os assuntos que têm em mãos são sempre excelentes e devem ser sempre publicados;

- Postura passiva e desinformada nas conferências de imprensa. Muitos consultores de comunicação estão nos eventos mas não sabem por exemplo identificar os oradores e quais os principais temas ali abordados. Ou seja, são uma ajuda nula para o jornalista;

- Envio de informação de forma massificada para todos os meios de comunicação social. É muito importante analisar e adequar o tipo de informação a veicular ao target jornalístico. A informação não pode ser “vendida” para o Diário de Notícias da mesma forma que é “vendida” para a revista Maria.

Infelizmente todas estas situações acontecem cada vez mais. Na minha opinião uma das justificações para este cenário, é o facto das agências de comunicação, numa medida de redução de custos, estarem cheias de estagiários que vêm das faculdades sem a mínima noção de saber comunicar com os jornalistas e depois também não receberem esse tipo de formação nas agências.

2 comentários:

Ana Queiroz disse...

Infelizmente a exploração de estagiários acontece em todas as áreas...no jornalismo também.
Mas acho que tem razão no que diz.

Ana Queiroz

Nolwe disse...

Muito interessante, este post! Infelizmente, como a comentadora anterior, também eu me revejo na parte em que fala dos estagiários. A verdade é que era bastante útil que todas as pessoas que têm de contactar directamente com os jornalistas (ou estagiários)tivessem uma preparação para que a relação seja o mais directa e produtiva possível.