quinta-feira, 25 de novembro de 2010

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Desculpe... não percebi



Aproveitando a boleia do Telmo Carrapa e do seu "Comunicações ou Não", um espaço que visito regularmente e que aconselho, duas notícias que deveriam ir para a secção "E esta, hein?".



terça-feira, 23 de novembro de 2010

Social Media: Não basta querer, é necessário estar preparado II


No seguimento do último post, recebi ontem mais uma informação de grande relevância para este meu espaço de Comunicação e Relações Públicas. Proveniente de uma empresa de comunicação da nossa praça, fiquei a saber que existe por aí uma instituição benemérita que anda a oferecer fraldas reutilizáveis.

Apesar de ter sido pai muito recentemente, o assunto não me emocionou o suficiente de forma a publicar aqui a informação. Lamento.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Social Media: Não basta querer, é necessário estar preparado


Através do PiaR tomei conhecimento deste post da Alda Telles sobre quais os melhores profissionais para trabalhar a comunicação das marcas nos social media. Concordo na generalidade com o artigo. Os profissionais de RP são sem sombra de dúvidas os melhores para actuar nestas novas plataformas ao nível da estratégia, conteúdos, relação, dinâmica, etc.

Contudo temos também de ser um pouco críticos connosco mesmos. Só assim conseguiremos ser melhores dia após dia e valorizar as nossas competências e trabalho junto das marcas. Digo isto porque nos últimos meses, no âmbito deste blog, tenho recebido por email informações de diversas agências de comunicação. 99,9 por cento das informações recebidas nada têm a ver com o universo da Comunicação e Relações Públicas. O meu blog deve estar certamente referenciado em algumas listas de blogs (espero eu de malta porreira), e por isso, cá vai disto. Disparamos para todo o lado, independentemente do perfil e conteúdos do blog.

Isto é uma autêntica perda de tempo, que não produz qualquer tipo de resultado e um mau trabalho que em nada prestigia o sector da Comunicação e Relações Públicas. As empresas devem estar atentas a estes duvidosos procedimentos internos e rectificar de imediato o comportamento dos seus profissionais. Isto porque para fazer copy-paste e carregar no send até a minha sobrinha de 4 anos faz.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Capacidade de comunicação de um líder

Um bom líder tem de saber comunicar de forma clara, sucinta e cativante.
Infelizmente, ainda existem muitos casos de pessoas com elevadas responsabilidades que não estão devidamente preparadas para enfrentar um jornalista ou uma audiência de média dimensão. O domínio das técnicas de comunicação é na actualidade um ponto fulcral na construção de um líder e na sua afirmação ao nível interno e externo. Por muito boa que seja uma ideia, ela só é verdadeiramente “comprada” se for bem transmitida a quem de direito. Tal como numa decisão difícil, e na actual conjuntura de crise são muitas as que os líderes têm de tomar, uma boa comunicação consegue legitimar essa posição menos simpática. Contudo, sempre num quadro de verdade e transparência.

Procure também entusiasmar as pessoas com quem tem a oportunidade de estar. Valorize ao máximo estes momentos e capte o interesse das pessoas. Contudo, sem nunca perder a sua personalidade e autenticidade, trabalhe-a de forma a ir ao encontro do interesse dos outros e em função do ambiente e circunstâncias onde está.

Por fim, seja selectivo no número de intervenções que faz. Procure não opinar sobre tudo, sabemos que não existem humanos com conhecimentos sobre todas as matérias (a devida excepção para o Nuno Rogeiro), nem emitir ideias novas todos os dias. Não caia na tentação de ambicionar ter um “soundbyte” sempre que acorda de manhã.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Publicidade procura RP para gestão de crise


"80% dos portugueses concorda que a publicidade “só quer vender”
Ver aqui os desenvolvimentos via Briefing


“Proclamo independência da bullshit, das apresentações vazias e dos tão reais 360º, pelos quais tudo fica exactamente como estava”
Ver aqui os desenvolvimentos via Meios e Publicidade

A banca e as novas tecnologias (2ª parte)



Com as novas tecnologias terão de ser criados novos bancos para responder às necessidades de um público jovem que quer cada vez mais receber informações e serviços no menor tempo possível. As redes sociais, onde estes jovens estão várias horas por dia, são assim o meio de excelência para interagir e comunicar com eficácia.

Esta geração Y (nascidos entre 1980 e 1994) que vos falo nasceu a clicar. Querem por esta via fazer tudo de forma rápida e prática. Se tal não for possível, irão certamente procurar alternativas. São pessoas extremamente voláteis e impacientes.

Por outro lado, estes utilizadores/consumidores gostam de ser escutados pelas instituições. É fundamental envolvê-los ao máximo nos processos de decisão e no desenvolvimento de produtos e serviços. Se repararem, as empresas que estão conscientes desta realidade e têm esta componente no seu ADN são as mais bem sucedidas comercialmente.

A banca em Portugal tem ainda uma postura muito egocêntrica. Eu arriscaria dizer que dois terços do seu foco são na própria instituição, e apenas 1 terço nos seus clientes. O serviço hoje tem de estar direccionado para o cliente, escutando-o todos os dias e rectificando procedimentos em função deste feedback.

Por força do desenvolvimento das novas tecnologias e dos canais online, o papel das próprias agências bancárias está condenado a mudar drasticamente. Num futuro muito próximo cada um de nós quando se deslocar ao balcão do seu banco procurará um atendimento especializado e personalizado. As tarefas banais ficarão excluídas deste espaço, sendo apenas executadas ao nível online ou nas caixas de multibanco.


Para finalizar, diria que falta uma certa maturidade às instituições bancárias. Ou seja a capacidade de ver e agir em benefício dos outros. Na verdade, raramente se importam com o que é melhor para os seus clientes.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

RP Memória

Há precisamente um ano foi assim...




Foi um ano fantástico em que tive a oportunidade de conhecer pessoas enriquecedoras em diversos locais do país (e mais virão já no próximo mês e 2011). A todos, o meu muito obrigado!