sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Plano de Comunicação Digital PME's


Senhor ministro da Economia e Emprego, esta iniciativa do Programa PME Digital é uma boa medida mas poderia ter sido aproveitada para ir um pouco mais além.
 
Sendo do conhecimento de todos que o Marketing e a Comunicação são das principais lacunas das empresas nacionais (PME's), pois não sabem trabalhar as suas marcas de forma profissional, penalizando vendas e o consequente crescimento em mercados externos, deixo aqui uma questão: para quando uma iniciativa do género na área da Comunicação?  
 
 

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Os publicitários são tipos com graça



 
Sim, foi um publicitário, que penso ser uma referência para o sector, que escreveu estas palavras:

"Media tradicional? Campanhas banais de TV? Patrocinar juntando apenas o logótipo? Tudo coisas do século passado. Não é esse o caminho.

O caminho é ser assunto, é patrocinar conteúdos, ou melhor, é ser conteúdo sendo, por isso mesmo, assunto. O caminho é ter ideias grandes. Muito grandes. Ideias que ponham ordem na comunicação das marcas, que lhes deem uma narrativa capaz de se desenrolar para lá dos media: uma ideia por acima dos media".
Pedro Bidarra no Dinheiro Vivo

Ver aqui artigo completo.

 

terça-feira, 16 de outubro de 2012

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Relações Públicas - Posicionamento


Já repararam que as empresas de maior sucesso têm um forte trabalho de RP por detrás? É por isso que defendo a importância de ter consultores de comunicação a trabalhar de perto com o top management e as equipas de I&D na conceção de novos produtos e serviços.
Com esta metodologia, a probabilidade das marcas terem sucesso é maior. Caberá aos profissionais de comunicação aconselhar a introdução ou alteração de certos aspetos dos produtos/serviços em desenvolvimento para se tornarem alvo de notícia e gerar buzz de forma global.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

O medo, por Tiago Viegas


Bom artigo do diretor criativo da Brandia Central, Tiago Viegas, na Marketeer deste mês, sobre o medo. Algumas ideias que destaco:

«O medo não é o inimigo mortal da criatividade; antes pelo contrário, é um sinal de que estamos no caminho certo».

«Não saber ao que vamos é sempre uma experiência assustadora. Mas necessária para quem ganha a vida a ser criativo e a ter ideias».

«Ter medo faz bem ao trabalho, que costuma sair melhor (ficamos mais atentos e trabalhamos melhor). Faz bem ao critério (que fica mais apurado). Faz bem aos resultados (sem risco não há lucro). Ou seja, o medo é uma coisa boa».
 
O publicitário conclui resumidamente que se o «medo apenas for um medinho de merda (relacionado com coisas insignificantes), então está tudo estragado porque o trabalho vai ficar uma cagada».

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O Humor na Comunicação



De facto é mesmo assim como diz aqui Sir Branson à Marketing Week. As marcas têm muito a ganhar se tiverem sentido de humor. Infelizmente, existem ainda muitos gestores que não interiorizaram este dado, preferindo, simplesmente, fazer mais do mesmo, ou seja, campanhas sem uma pitada de sal ou pimenta, chatas e inócuas. Falta-lhes quase sempre aquilo que denomino de “toque de pionés”, para despertar verdadeiramente a atenção das pessoas.

Por outro lado destaco, principalmente para os mais pessimistas, a referência à importância das Relações Públicas e dos media sociais para o sucesso das estratégias de marketing na conjuntura atual. Acreditem que não há mesmo volta a dar, as RP estão para ficar.   


segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Comunicação de Passos Coelho



Nos últimos dias muito se tem falado e escrito sobre a comunicação do Governo, nomeadamente à forma como foram anunciadas as últimas medidas de austeridade.
 
É consensual que foram vários os erros cometidos: conteúdo, timing da comunicação, programa social após o anúncio das medidas, mensagem no Facebook, demora nos esclarecimentos aos portugueses (entrevista RTP), etc. Mas, o que deveria ter feito Passos Coelho, ou melhor, quais os conselhos e instruções deveriam ter dado os seus assessores e conselheiros?
 
Na minha opinião não é de agora que a coligação PSD/CDS-PP tem falhado ao nível da comunicação. Os portugueses estavam conscientes que o atual elenco governativo tinha uma missão extremamente difícil quando tomou posse, devido à pesada herança deixada por Sócrates como pelo exigente cumprimento das medidas da troika para não comprometer a ajuda financeira indispensável. Por isso a esmagadora maioria dos portugueses estava sensibilizado e até disposto a fazer alguns sacrifícios pela recuperação do país, mesmo que isso implicasse uma menor qualidade de vida durante algum tempo. Então o que tem falhado? O que eu antecipei aqui a 24 de junho de 2011.
 
O atual Governo não tem comunicado com clareza nem objetividade. Analisem o discurso de Pedro Passos Coelho no passado dia 7. Onde está a honestidade do primeiro-ministro quando pede pesados sacrifícios aos portugueses se o Governo não corta as suas “gorduras”, como é exemplo as frequentes notícias que surgem nos media sobre carros luxuosos, equipas numerosas ou salários exorbitantes? Se isto de facto não corresponde à realidade, desmintam claramente, e processem se for necessário, o órgão de comunicação social em causa. Por outro lado, e não é necessário ser muito iluminado, por que não construir um website que demonstre todos os cortes que o Estado fez ao nível da sua despesa. Eu não sei, você certamente também não sabe e os portugueses, pelas manifestações de sábado, claramente também não sabem.
 
Um dos principais motivo de revolta das pessoas é o facto de sentirem que o Governo não está a fazer os sacrifícios que elas estão a fazer nas suas vidas. Por isso não acreditam que o seu esforço irá valer a pena, desconfiando que daqui a alguns meses, ou talvez semanas, serão impostas novas medidas de austeridade. Claramente não existe sintonia entre o Governo e os portugueses. A legitimidade para pedir sacrifícios perdeu-se de vez nos últimos dias. Tal como na vida profissional, as pessoas necessitam de ter objetivos e metas concretas para estarem verdadeiramente envolvidas com as decisões tomadas superiormente. Infelizmente, para todos nós, o Governo ainda não percebeu isso.   


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Blogs corporativos

 
 
Conheça aqui alguns dos melhores blogs corporativos segundo a PR Daily.
 
 
Esta é uma área ainda muito pouco explorada pelas empresas portuguesas. Os que existem estão normalmente desactualizados. Muitos são desinteressantes e não causam qualquer tipo de impacto, pois falam somente para o seu umbigo, esquecendo-se do que é verdadeiramente relevante para a sua audiência.  
 


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

O livro dos consultores de comunicação de Passos Coelho

 
Segundo Mark Hughes, autor do livro Buzzmarketing, existem seis temas que impulsionam as conversas. Foi nele certamente que os consultores do primeiro-ministro se inspiraram para a famosa e trágica comunicação ao país, na última sexta-feira.
 
1)      O tabu – Ministros “fogem” do país para não comentar as medidas de austeridade   
 
2)      O invulgar – Anunciar medidas sem a avaliação da troika estar terminada
 
3)      O extravagante – Retirar poder de compra aos portugueses para impulsionar a economia nacional   
 
4)      O hilariante – Depois de anunciar as duras medidas de austeridade, Passos Coelho surge com um ar feliz e alegre num evento musical
 
5)      O impressionante – 17 minutos de discurso sem objetividade nem clareza
 
6)      Os segredos – Quais serão as próximas medidas de austeridade?

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Ui que stress...



Eis aqui, via Agência Financeira, a lista (mais uma) das profissões mais stressantes.
 
Profissionais de Relações Públicas, estamos em 7º no ranking. Talvez para o ano conseguiremos estar a lutar pelo bronze (e falo de medalhas, não a trabalhar para o bronze, o que seria mau sinal)

 

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Políticos e Facebook: Não faça figuras tristes




 
 
Não, de facto não sabem comunicar. Sabem porquê?
 
Debitam textos e discursos
Não são espontâneos
Não atualização regular. Desaparecem durante semanas ou meses
Toda a informação colocada tem interesses mascarados
Apagam os comentários negativos
Não promovem uma escuta ativa
Não geram proximidade
Inexistência de interação
(…)
 
Senhores políticos, o Facebook é uma plataforma para estar de corpo e alma. Seja informal mas profissional. Se não tem interesse, disponibilidade ou pachorra, desista. Seja sincero e diga simplesmente aos seus seguidores que não tem capacidade para estar convenientemente nesta rede social. Isto permitirá sair pela porta grande e evitar fazer figuras tristes.      

terça-feira, 24 de julho de 2012

Leia isto antes de contratar um serviço de Relações Públicas




Um artigo interessante para aqueles que desconhecem a "realidade" das Relações Públicas. As limitações e as potencialidades de uma área em constante mutação. Consultar aqui via PR Daily. 


segunda-feira, 16 de julho de 2012

Marcas em Festivais de Música - O caso Optimus Alive 2012



Ontem tive oportunidade de passar pelo Optimus Alive 2012. Sendo considerado um dos melhores festivais de música de Verão é, supostamente, uma excelente oportunidade para as marcas se aproximarem de um público mais jovem. O que é certo é que nem sempre essa presença gera o retorno desejado para as marcas perante o investimento, normalmente elevado, que têm de fazer para estarem presente de forma minimamente condigna. Para mim o principal problema está em replicarem stands, mensagens e dinâmicas de outros eventos sem se preocuparem em ir ao encontro das características e especificidades daquele momento em concreto.

É verdade que estes palcos, devido ao target e ao próprio contexto, são extremamente desafiantes para conseguir do público a atenção e a interação pretendida. Contudo, é também verdade que existe por aí muita falta de criatividade que leva a ações bastante apagadas e onde se esbanja dinheiro que poderia ser aplicado de forma muito mais inteligente.

terça-feira, 10 de julho de 2012

A reputação da Lusófona vista por um canudo



Deixo aqui o link para o meu artigo de opinião sobre o caso "Lusófona / Relvas" publicado hoje no Meios & Publicidade.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

O foco nas pessoas


É principalmente nestas alturas de crise que as marcas devem reforçar a sua aposta em estar ao lado dos seus clientes. Só com esta missão de ajudar a melhorar a vida das pessoas é que poderão ser reconhecidas e incrementar os seus resultados económicos e financeiros.
A chave do sucesso está em passar de um modelo puramente de negócio para um onde as pessoas estão verdadeiramente no centro das preocupações das empresas. Contudo, este caminho, singular para cada marca, deverá ser percorrido com objetividade, transparência, perseverança e muita, muita dedicação.  

terça-feira, 19 de junho de 2012

Cannes Lions - Relações Públicas




"Setenta a 80% das candidaturas nos PR Lions (Relações Públicas) são de agências de publicidade e não de comunicação". Ver aqui notícia via Dinheiro Vivo.

Há muito que esta intrusão é percetível. Um dado que deveria de facto merecer a atenção das consultoras de comunicação. Quem estiver distraído ou nada fizer, arrisca-se a desaparecer.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Publicidade: Internet supera Imprensa no Brasil


A Internet tornou-se o segundo veículo de publicidade com mais receitas no Brasil, no primeiro trimestre do ano, à frente da Imprensa, segundo um relatório elaborado pelo Interactive Advertising Bureau (IAB Brasil) e divulgado pela Exame. Ver aqui via Hipersuper.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

O regabofe dos patrocínios no desporto


Nos últimos dias têm-se levantado algumas vozes contra a forma como a seleção nacional de futebol tem preparado o Europeu 2012 e o “circo” em redor da mesma. Manuel José, treinador que tem estado nos último anos no Egito, referiu que “a fase do estágio que decorreu em Portugal foi uma festa e que a seleção se transformou num bigbrother”. Já hoje Carlos Queiroz, ex-selecionador nacional, refere aqui que “não me surpreende que as declarações do Manuel José possam ter fundamento porque eu próprio me confrontei com uma tentativa, muitas vezes absurda e até ridícula, de transformar a seleção num circo. Por exemplo, uma das iniciativas que me foi proposta antes do mundial era a de eu escolher 22 jogadores e o 23º jogador é escolhido pelo povo, e fazemos aqui uma festa gira, jeitosa, pomos a malta toda a votar”.  

De facto é verdade que nos últimos tempos temos vindo a assistir a uma exagerada intrusão das marcas no desporto, principalmente no futebol, por razões lógicas. Bem sei que sem patrocinadores e patrocínios muitos clubes e competições não teriam forma de continuar. O grande desafio no futuro para ambas as partes – desporto e marcas – será implementar ações de marketing e comunicação relevantes para o público, de forma a potenciar a imagem dos patrocinadores mas sem nunca colidir com os interesses desportivos. Caso contrário arriscamo-nos que os espetadores e adeptos “fujam” dos palcos desportivos pois o essencial deixou de ser a competição para serem as marcas e as suas ações promocionais.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Barbie careca



Depois deste momento menos feliz, a Mattel recuou definitivamente na sua posição e a Barbie sem cabelo será mesmo uma realidade já no próximo ano (ver aqui). Ainda por cima um produto sem fins lucrativos que não será comercializado mas sim doado a hospitais. Muito bem!


segunda-feira, 9 de abril de 2012

Caminhos sinuosos para o turismo nacional



Ter de sair do carro e pagar portagem num contentor é, no mínimo, ridículo. Ver notícias aqui ou aqui. Ainda por cima no país, embora não inventor, pioneiro na comercialização do sistema Via Verde. 

Melhorar o desempenho



Em tempo de crise é fundamental que exista tanto do empregador como do colaborador:

Confiança

Disponibilidade

Atitude construtiva

Objetividade

Controlo emocional

Motivação

Vontade em aprender

Flexibilização na forma de trabalhar

Desejar fazer mais e melhor

Inovar nos processos de trabalho  

Open-minded

Métricas de avaliação

segunda-feira, 26 de março de 2012

Victor Gaspar, o Relações Públicas


Fernando Sobral diz hoje no Negócios que Victor Gaspar é o Relações Públicas de Portugal. Tenho de concordar.

Pauladas na imagem de Portugal



Infelizmente nos últimos tempos têm-se avolumado o número de notícias (como esta) na comunicação social sobre assaltos a turistas ou residentes estrangeiros no Algarve. Se do ponto de vista de comunicação nada for feito junto destes cidadãos, cá e lá fora, no sentido de os tranquilizar e explicar o que tem sido feito para minimizar estas situações, arriscamo-nos que a breve prazo sejamos vistos como um país inseguro. É importante agir rapidamente para não fragilizar ainda mais a nossa imagem e comprometer uma importante fonte de receita para o país.  

segunda-feira, 5 de março de 2012

Quando o preço se sobrepõe à qualidade técnica


Infelizmente esta é uma realidade cada vez mais presente. Falemos nós de audiências, publicidade ou comunicação. Ver aqui peça da RTP.  

quinta-feira, 1 de março de 2012

Publicidade ou Relações Públicas?



É impressão minha ou os publicitários querem agora ser relações públicas? Pois, compreendo. Fugir da crise não é meus senhores. Ver aqui via Dinheiro Vivo.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Cavaco Silva vs Passos Coelho: análise às manifestações populares


Nos últimos dias assistimos a dois comportamentos distintos por parte do Presidente da República e do primeiro-ministro. O primeiro cancelou na passada 5ªfeira uma visita à Escola António Arroio. Já o segundo enfrentou os populares em Gouveia. Passos Coelho foi vaiado, enquanto Cavaco Silva evitou receção semelhante por parte dos alunos daquela escola nas Olaias, em Lisboa. O primeiro-ministro ficou claramente melhor na “fotografia”.

Não é aceitável que uma figura como o Presidente da República evite o contacto com o povo, quando foi eleito democraticamente por este, mesmo sabendo à partida que o cenário que iria encontrar não seria favorável ou simpático. Ainda para mais não teve coragem para assumir a verdadeira razão da sua ausência, preferindo mandar dizer que tal deveu-se a um “impedimento”. Uma situação prejudicial para a democracia e que não livra Cavaco de na próxima aparição pública ser novamente confrontado com o episódio da António Arroio. Ou será que o presidente irá evitar as pessoas e a “vida real” até ao fim do mandato?

Já Passos Coelho esteve bem. Mostrou que é um político mais maduro e sem medo de enfrentar uma população enfurecida. Conseguiu passar uma imagem de político dialogante e preocupado com os problemas das pessoas. Enfrentou os populares com naturalidade e a sua posição saiu reforçada. Foi bastante mais inteligente do que Cavaco.    

Continuo sem perceber os erros consecutivos de comunicação cometidos por Cavaco Silva. Apesar de ser um cargo muito mais resguardado do que o do primeiro-ministro, o que é certo é que tem acumulado incidentes atrás de incidentes, alguns perfeitamente infantis e evitáveis, tendo uma clara dificuldade em lidar com a crítica.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Lançamento "Mais Capital com as Relações Públicas"

É já amanhã o lançamento do mais recente livro sobre RP: "Mais Capital com as Relações Públicas". Lá estarei ao final do dia, no Espaço Açores, em Lisboa, a apresentar a obra num gentil convite do João Figueiredo. 

Entretanto este blog teve acesso a uma imagem exclusiva que demonstra a força e a influência das RP nacionais.




domingo, 5 de fevereiro de 2012

Comunicar para tablets




Apesar de ainda não existirem dados sobre o número de tablets vendidos em Portugal (corrijam-me se estiver errado), penso que ninguém tem dúvidas que esta nova forma de consumir informação veio para ficar. Bastará constatar a diversidade de modelos comercializados pelas marcas tecnológicas. O preço é contudo ainda um entrave que tende a desvanecer-se com uma ainda maior oferta de equipamentos e o amadurecimento do próprio mercado. Esta é uma realidade para a qual os profissionais de comunicação e relações públicas devem estar atentos.

Se até aqui a preocupação eram quase exclusivamente os conteúdos, atualmente a imagem é cada vez mais importante. Invista o seu tempo, esforço e energia nos seguintes pontos:

» Divulgação de conteúdos em vídeo;

» Utilização de fotos e infografias;

» Estabelecer links a outros conteúdos que possam ser uma mais valia para os jornalistas;

» Disponibilizar informação áudio;

» Solicite feedback aos conteúdos;

» Meça o impacto das mensagens.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

O negócio da Comunicação



O António refere aqui e bem que o principal problema do sector da comunicação enquanto negócio é a baixa "percepção de valor sobre os serviços prestados e sobre os prestadores de serviço". Diz ainda que "sem estes problemas resolvidos, não serve de muito queixarmo-nos das avenças, e dos preços, e da concorrência. Sem haver diferenciação do lado da oferta, ninguém se pode queixar que a procura anda a esmagar a indústria". 

De facto na minha opinião, como há muito venho a dizer, a inovação e a diferenciação a todos os níveis, desde o contacto inicial com o cliente até à avaliação dos resultados, é que fará o cliente separar o trigo do joio. Um trabalho desafiante e uma missão muitas vezes árdua e demorada mas que acabará por dar os seus frutos de forma sólida e sustentada.   

Quanto aos sucateiros da comunicação, sempre existiram e certamente que continuarão a existir por muitos e longos anos.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

"Como em todos os negócios temos de evoluir para sobreviver" - Tim Solomon



Tim Solomon, CEO da Ogilvy & Mather Portugal, referiu aqui ao Dinheiro Vivo a importância de inovar para sobreviver no competitivo mercado da Publicidade. 

Para evitar o que eu disse aqui é fundamental ir mais além, ter vontade, talento e trabalhar muito. Com esta atitude verá que rapidamente os problemas transformam-se em oportunidades.         

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Forum Communication On Top in Davos 2012


(informação enviada pelo Rui Martins)

3ª Edição do Forum “Communication on Top” irá realizar-se a 9-10 Fevereiro de 2012, na pitoresca cidade de Davos – Klosters (Suíça), onde são esperados responsáveis máximos de consultoras de comunicação e profissionais de comunicação inhouse de topo de multinacionais e outras organizações nas áreas de relações institucionais, relações públicas, comunicação de marketing, relações com investidores, representantes de Media, bloggers, reitores de universidades, cientistas e inovadores tecnológicos.
O Forum 2012 irá debruçar-se sobre os temas: Privacidade vs Publicidade, novos desafios para as Consultoras  nas áreas de RP, reputação territorial, comunicar inovações científicas, interacção com economias virtuais – social media games/Second Life/Online IPO, comunicação virtual vs face-to-face em RP e marketing, comunicação interna– RH vs. PR, comunicação de missão associativa – formar uma comunidade ou envolver-se socialmente? (Rui Martins, Director de Comunicação e Coordenador para Portugal será o moderador deste Debate) ... entre outros tópicos de interesse.

Daniel Höltgen – Director de Communicação do Council of Europe, James Gillies - Responsável de Comunicação do Group CERN, Paul Holmes - Fundador e CEO do The Holmes Report e dos SABRE awards, Gary Grates – Presidente e Director Geral da EDELMAN Change & Employee, USA; e Rui Martins  - Director de Comunicação da Dianova Portugal e Coordenador Regional para Portugal da European Association of Communication Directors e Communication On Top Forum são apenas alguns dos Oradores / Moderadores deste evento que em 2010 reuniu mais de 150 profissionais dos 5 continentes.
 
Mais informações sobre Programa, Comité e Inscrições em: http://www.forumdavos.com/programme

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Notícias à medida


Ainda não tinha referido este estudo da Carolina Enes que merece efetivamente ser destacado sobre a relação, sempre quente, jornalista – assessor de imprensa. Agora o que eu considero incrível é existirem notícias como a que se encontra abaixo, publicada hoje no semanário SOL, em que o conteúdo da notícia é desenhado à medida do interesse do jornalista. Por exemplo, porquê não referir outras conclusões do estudo como esta: “Metade dos consultores considera que os jornalistas manipulam a informação”. Isto de dizer que uns são anjos e outros demónios não fica nada bem.