domingo, 5 de fevereiro de 2006

Falta de ética – Caso real

Quem está na área das relações públicas e comunicação em Portugal sabe muito bem que para certas pessoas vale tudo para ganhar concursos e contas. As propostas de comunicação de algumas empresas são autênticas viagens ao mundo da fantasia, onde tudo se promete, por mais desajustado e ilusório que seja para o projecto em causa. São documentos onde, os apelidados de profissionais nesta área, libertam a sua criatividade, escrevendo aquilo que os clientes querem ouvir.

Anunciar durante a apresentação de uma proposta de relações públicas que aquele evento tem potencial para ser notícia num canal de televisão, é o que basta para ver os olhos do cliente a brilhar de satisfação. TV é a palavra mágica que encanta qualquer um. Estas reuniões são o palco preferencial para se dizerem as maiores barbaridades e fazerem promessas completamente irreais
, mas que aos olhos dos clientes, grandes desconhecedores da área das relações públicas (e aqui até incluo alguns dos responsáveis pela comunicação das empresas), são como que doces para crianças.

Os clientes na maior parte das vezes não detectam as promessas puramente demagógicas de algumas empresas de comunicação, o que leva a relações profissionais curtas e recheadas de insatisfação. No entanto, uma coisa são promessas exageradas e descabidas, outra coisa, e muito mais grave, é ter falta de ética na sua conduta profissional. E por isso, denuncio aqui uma situação que tomei conhecimento esta semana, e que me deixou completamente perplexo.

Actua no mercado português uma empresa que discrimina pormenorizadamente nas suas propostas (e eu tenho provas disso) os nomes dos meios de comunicação social onde conseguirá obter notícias. Assim, na proposta para um evento a que tive acesso, afirmaram claramente que,
dias antes da realização do mesmo, seriam obtidas notícias na agência Lusa, Correio da Manhã e Diário de Notícias. Para além disto, declararam que no dia da acção seriam veiculadas notícias pela rádio e televisão, e nos dias seguintes em outros meios, como o jornal Público e Diário de Notícias, e outros órgãos de cariz económico e financeiro. Tudo isto, pela módica quantia de 20 mil euros!

Como é possível afirmar que se conseguirão notícias nos meios X, Y ou Z a 3 meses de um evento?!! Como é possível acreditar que estas promessas serão cumpridas através do pagamento de uma determinada quantia?!! E acima de tudo, como é possível altos quadros de empresas multinacionais contratarem este tipo de serviço?!! Absolutamente lamentável!!!

1 comentário:

PMT disse...

Quem não se sabe diferenciar no mercado por falta de competência têm de "agarrar" clientes com práticas menos correctas. Subscrevo o teu comentário e julgo que tal procedimento por parte dessa agência não se trata de competição desleal para com os restantes. Pelo contrário, se existem clientes inteligentes (e existem) então esses pretensos colegas da "notíca ao Kg" não têm muitos.
As relações públicas servem objectivos que extravassam em larguíssima medida o número de notícias publicadas, as auais não são um fim último, mas sim um meio para atingir esses objectivos. Eu sei isso, tu sabes isso, e eles deviam saber isso muito bem. Se não sabem, então não é só falta de ética que lhes falta. É falta de profissionalismo.