sábado, 9 de outubro de 2010

Mais uma farpa nas agências de comunicação




Esta notícia do DN é mais um contributo para denegrir a já frágil imagem das agências de comunicação. Facto de imediato aproveitado pelos nossos representantes na Assembleia da República (ver aqui notícia do Público).

É engraçado que um partido político, neste caso o PSD, que contratou, contrata e continuará a contratar os serviços de profissionais e agências de comunicação, venha agora indignar-se publicamente contra o acordo do Governo com a Kreab Gavin Anderson (KGA) para a defesa da imagem do país nos mercados financeiros internacionais.

De acordo com o vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, Luís Montenegro, o contrato agora celebrado com a KGA ronda os 330 mil euros, que não sua opinião é um montante elevado. Para o comum dos mortais, que nunca ouviu falar de uma agência de comunicação e muito menos sabe o que fazem, é lógico que este acordo representa mais um assalto à carteira dos portugueses. É legítimo que a esmagadora dos portugueses pense desta forma. O que não se pode aceitar é que este desconhecimento seja usado como arma política numa demagogia arrepiante.

Será que o senhor deputado já consideraria um melhor investimento se o dinheiro fosse gasto numa festa rija com o Tony Carreira e suas “muchachas”, couratos e entremeadas à descrição, vinho tinto de colheita seleccionada e uma bela sessão de fogo-de-artifício?

3 comentários:

Anónimo disse...

Eu creio que a questão não é exactamente essa.
O problema prende-se com o facto de até agora nada se saber quando a agencia presta serviços desde Fevereiro.
No portal do Min das Finanças onde todos estes contratos devem estar afixados este não está. Se for ler o artigo para o qual aponta o seu post provavelmente perceberá melhor o que está em causa. Ou se calhar até percebeu mas quis fingir que não... foi isso?

Leonor disse...

Na verdade sim, esse "investimento" passa a ser tanto mais legítimo se for adequado à época do ano...castanhitas e água pé pró São Martinho.

A "comunicação" não se preocupa com a sua própria imagem, thats the problem

Renato Póvoas disse...

Caro(a) Anónimo(a),
recordo aqui as palavras do senhor deputado Luís Montenegro: “inclusivamente, é adiantado um montante do contrato, que é um montante elevado, cerca de 330 mil euros, e convém saber se isso se verifica e qual é o período do contrato”,

Como pode o sr. deputado afirmar à partida que é um montante elevado sem saber que tipo de trabalho está a ser desenvolvido e durante quanto tempo?